quinta-feira, abril 06, 2006

EA Sports Fight Night Round 3


Um dos jogos que mais me impressionou na xibocona (a.k.a. Xbox 360) foi o EA Sports Fight Night Round 3. Putz, o visual do jogo é de um realismo impressionante, e a física também.



Ano passado eu comentei que o grande lance dos novos jogos de luta seria justamente a simulação física realista do corpo dos lutadores , é isso que esse jogo tem! A detecção de colisão é perfeita. Um soco bem dado move a cabeça do coitado na direção e na velocidade esperada. Quando rola um knock down, você vê, em câmera lenta, o rosto (olhos, bochecha, supercílios, lábios) do lutador se deformar com o golpe. Sangue e suor (e lágrimas ^_^) espirram para todo lado. O corpo do pugilista cai de forma incrivelmente realista (lembrei-me do Porrasturvat... :-)).



Os dois últimos jogos de boxe que eu realmente curti foram Mike Tyson's Punch Out para NES, e o seu clone Rocco, para ZX-Spectrum. Agora dá para colocar mais um na jogada - será que vou ter coragem de dar cinqüenta doletas no bichinho ? :-D

Na dúvida, peguei a versão de xiboquinha (a.k.a. Xbox "1"), mas obviamente fiquei decepcionado: os gráficos não chegam nem perto (antes que vocês falem DUH! os gráficos de King Kong, Burnout Revenge, e Need for Speed: Most Wanted chegam perto, na medida do possível), basicamente por falta de deformação facial e suor.

Em compensação a jogabilidade fantástica está lá. O próprio jogo fala que não é para (moleques) button-masher; é preciso defender, esquivar e "tirar" os socos na hora certa, e pensar onde e quando acertar.

O controle, no início, pareceu completamente alienígena: ao invés de botões, o analógico direito é usado para os socos! Depois de uma meia hora no treino eu percebi o quanto isso é bacana. Você pode dar um direto colocando a alavanca nas diagonais superiores (à esquerda e à direita para cada um dos braços), dar um gancho fazendo um hadouken, um uppercut fazendo algo como um shouryuken (ou seria um tiger uppercut ? ^_^) e mais um monte de outras coisas bacanas.

Além disso, é possível reviver as carreiras de grandes boxeadores, e lutas clássicas da ESPN (Muhammad Ali x George Foreman!!!). Se preferir, também há a opção de se criar o próprio boxer, de forma bastante flexível (tô na dúvida se crio o Rocky "The Italian Stallion" Balboa, Adilson "Maguila" da Silva ou o Acelino "Popó" Freitas!). E no Career Mode gerenciam-se lutas, "reputação" do lutador, contratam-se novos técnicos...

Entre cada luta é possível treinar o seu lutador, ou automagicamente (se você não tiver saco pra isso) ou com pequenos mini-games (como um em que você tem que acertar seqüências cada vez mais longas de socos - como um Genius - a.k.a. Simon Says - da Estrela - num boneco). Isso, estranhamente, lembrou-me dos mini-games entre as fases de Karate Kid, de NES (Daniel-san quebrando o gelo, pegando moscas com hashi...).

Must-have para quem gosta de boxe, pelo menos must-see pra quem gosta de jogos de luta. Se não me engano há versões para PS2, PSP e GC, além dos já citados consoles da Microsoft.

UPDATE (by Agripas): Fiquei curioso sobre o tal Rocco de Speccy e descobri que o jogo se chamava Rocky na versão espanhola, feita pela Dinamic. Vale a pena citar outro clone do Mike Tyson's Punch Out, Frank Bruno's Boxing para ZX Spectrum e C64.

8 comentários:

Agripas disse...

Most impressive, guriloq! Me deu vontade de jogar, e olha que eu detesto jogos de boxe...

Saulo Santiago disse...

PUTAMERDA! Porrasturvat! Agora EU me lembrei dele!! hehehe vcs desecavam cada coisa...

Ryumaki disse...

Eu não curto jogos de boxe, mas esse eu fiquei com vontade de ver.

Aliás, vc falou em Karate Kid do NES, este jogo me remete a memórias envolvendo sacos-de-vômito, choro e ranger de dentes. Estou enganado ou o jogo é essa caqueira mesmo?

Agripas disse...

Sim, Karate Kid chupava. Acho que o muriloq só quis usar como exemplo para os mini games :-)

Saulo San disse...

Karate Kid do NES consegue ser tão ruim (ou mais) do que o filme...

E um dos jogos impraticáveis no passado, de uma imensa lista, q eu pretendo terminar hj em dia, usando 15 anos a mais de experiência vedeogamística (e ocasionalmente Gamefaqs)

muriloq disse...

Houve uma época em que eu tinha só dois carts de NES, cada um duplo. Um era "Karate Kid / Gradius" e o outro, "Milo's Secret Castle / City Connection". Gradius é obviamente fantástico, "City Connection" é divertidinho (as músicas são bacanas, e os backgrounds também - além de me lembrar do problema clássico em ciência da computação, o TSP (Travelling Sales Person)).

Quando enjoei dos dois, fui para o "Karate Kid" - do qual gostava, por incrível que pareça. Eu joguei a tranca por horas, obtinha o máximo em todos os mini-games, e tal. :-) Desgraçado mesmo é o "Milo's", um clone do Super Mario Bros com ares de adventure cujos puzzles incompreensíveis eu nunca consegui resolver... :-)

SauloSan disse...

Milo's Secret Castle é outro jogo impraticável q eu pretendo resolver com alguma ajuda internética!

Algum arrombado mundo a fora já deve ter solucionado esse jogo e soltado num Gamefaqs da vida!

SauloSan disse...

A gente podia marcar um encontro só pra tomar cerveja e tentar matar esses jogos q ninguém terminava na época!

Pena q Rio, Sampa e BH não colaborem com isso geograficamente falando...